IAB RS celebra seus 69 anos

Data: 20/03/2017
Fonte: Sabrina Ortácio

O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB RS) celebrou no sábado (18/3) os seus 69 anos de atuação no Rio Grande do Sul. Em clima descontraído, a comemoração foi realizada no Solar do IAB, único ponto cultural da capital gaúcha e um dos raros no Brasil que tem a arquitetura e urbanismo como tema central. A música ficou a cargo da banda “Inserções em Circuítos Ideológicos”, que apresentou um repertório de Jazz Fusion e já é sucesso nas festas da casa.

 
A 2K Arquitetura presenteou o IAB RS na comemoração dos 69 anos com este video que registrou os melhores momentos da festa realizada no dia 18 de março, no Solar do IAB, em Porto Alegre.


Fundado em 19 de março de 1948, o IAB RS é um dos departamentos mais antigos do IAB. Teve em seus quadros alguns dos principais nomes da arquitetura e do urbanismo no Estado, sendo que durante muito tempo foi a única entidade exclusiva de arquitetos no RS. O presidente do IAB RS, Rafael Passos, lembrou que durante a Ditadura Militar o Instituto teve atuação firme em defesa da democratização do país, junto a instituições como OAB e CNBB, entre outras. “O Departamento foi um dos líderes de um longo processo que levou à criação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), defendendo a autonomia da profissão e a importância de um conselho próprio para atingir tal patamar”, afirmou.

Passos também destacou o pioneirismo do Instituto na luta pela Reforma Urbana, e na defesa da Cidade, à Habitação e à arquitetura como direito dos cidadãos, quando esteve junto às entidades e movimentos da sociedade que garantiram os direitos na Constituição de 88 e, posteriormente, no Estatuto da Cidade. “O IAB RS hoje tem buscado a retomada de seu protagonismo junto à sociedade e às autoridades públicas na defesa da cidade democrática e sustentável. Buscando ampliar sua abrangência territorial, o IAB-RS chega aos seus 69 anos com 10 núcleos ativos no interior do Estado”, salientou. “Temos buscado levar os grandes temas da arquitetura e urbanismo à discussão da comunidade, pois o reconhecimento social é condição fundamental para a valorização da profissão”.